sábado, 5 de outubro de 2013

PROJEÇÕES

“Todos nós podemos cair na armadilha de projetar ‘filmes’ de nossa própria autoria sobre as situações e as pessoas à nossa volta. Isso acontece quando não estamos plenamente confiantes de nossas expectativas, desejos e julgamentos e de reconhecê-los como nossos, tentando atribuí-los aos outros. Uma projeção pode ser diabólica ou divina, perturbadora ou confortadora, mas continua sendo uma projeção – uma nuvem que nos impede de ver a realidade como ela é. O único modo de escapar disso é entender como funciona o jogo. Quando você der com um julgamento se formando a respeito de outra pessoa vire-se do avesso: aquilo que você está vendo no outro, na verdade, não pertence a você? A sua visão está límpida ou obstruída pelo que você quer ver?”

Que bela descrição da nossa própria cegueira a respeito de nós mesmos, não é verdade? Quantas vezes olhamos para quem está perto de nós e não percebemos que este alguém funciona como nosso espelho, refletindo exatamente aquilo que menos gostamos em nós.

No livro o autor diz que nossa mente é um projetor e o outro, a tela onde o nosso filme é projetado. Isso explica muito bem aqueles relacionamentos onde no início é tudo ouro sobre azul e, com o passar do tempo, o ódio, a raiva, a vingança e o desamor começam a surgir na relação transformando príncipes e princesas em sapos e rãs repugnantes.

Um estudo recente parece mostrar que a paixão dura em média um ano e meio. Segundo o estudo, é nessa fase que o objeto do amor é perfeito, lindo, tudo o que um diz ou faz é maravilhoso. Depois dessa fase o castelo começa a desmoronar e, então, começamos a nos ver no outro (e vice-versa) sem o véu da ilusão, do encantamento, da anestesia. E o encantamento vai passando sendo substituído pelas projeções que nossa mente faz sobre o que nosso companheiro/a tem de pior (ou seja, o que temos de pior refletido nele ou nela)

O texto acima encontra-se na página da Ig (todos somos um) é me pareceu bastante interessante pois existem diversos momentos em nossas vidas que as projeções não nos deixam ver a pessoa como ela realmente é.

Então, preste sempre atenção nelas!

Abraço

4 comentários:

  1. Lory, achei essa matéria fantástica! Ainda não ouvi a respeito disso na faculdade, mas quando aparecer, já terei um pouquinho de conhecimento prévio a respeito. :)

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. E outra coisaque achei bem legal é que, a descrição do relacionamento q vc fez (duração e fases), foi exatamente o que aconteceu comigo em 2 relacionamentos! Fiquei 1 ano e meio com uma pessoa aonde, no início, era tudo maravilhoso, chegando ao ponto de eu não aguentar mais e terminar o relacionamento depois de 1 ano e meio. Algum tempo depois, entrei em outro relacionamento q foi exatamente a mesma coisa! Depois do término dos 2, pensando a respeito, achei realmente estranho o fato de terem sido tão similares nesse sentido: o tempo mais ou menos o mesmo, a tentativa de me "forçar" a ver as partes boas do outro e do relacionamento, simplesmente sem conseguir, etc... Agora, depois de ler essa matéria, cabe a mim um trabalho de reflexão para observar o que talvez eu tenha projeto e o que, de fayo, foi real. Obrigada, Lory! E parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Tainã! Grande bjo!!

      Excluir