quarta-feira, 22 de agosto de 2012

CONFIAR NA VIDA!


Como você pode confiar se vive com medo? Para se ter confiança é necessário:
- Não tentar controlar a vida, pois isto é impossível. Aceite a vida como ela é;
- Saber que você tem um potencial incrível e que pode aprender a utilizá-lo cada vez mais a seu favor, abolindo a autocrítica exagerada por exemplo;
- Tomar a atitude de "agir como se", ou seja, perceber cada desejo seu como
 se ele já tivesse sido realizado;
- Perder o medo da vida que foi criado pela ideia que você tem de que seu potencial é limitado. O universo é ilimitado e se você faz parte dele, também é.
- Assumir quem você é, uma pessoa cheia de qualidades e com pontos que, se quiser, pode melhorá-los.
- Não ter vergonha de pedir ajuda caso necessário para identificar seus medos que minam sua autoconfiança e trabalhá-los.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Síndrome de segunda-feira!

Procurei pesquisar porque vejo que a "síndrome de segunda" ao meu ver pode ser considerada uma epidemia. Nossas condições de trabalho e o estresse advindo de uma vida onde trabalhar está associado a uma obrigação,
 onde "devemos trabalhar para pagar nossas contas", sem que uma reflexão mais profunda sobre ele seja feita, faz com que tudo fique mais difícil. Penso que o trabalho e sua conotação negativa em nossa sociedade muitas vezes faz com que não enxerguemos sua utilidade, seja lá qual for o seu ofício. Os interessados leiam o artigo abaixo do portal Terra:




http://saude.terra.com.br/interna/0,,OI3216493-EI3239,00-Odiar+segundafeira+pode+ser+sinal+de+sindrome.html



quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Como as crenças que temos interferem na prosperidade!

Este vídeo com a palestra de Luiz Gasparetto é interessante pois nos mostra como as ideias que temos acerca do dinheiro e da prosperidade pode fazer com que tenhamos posturas que nos afastam dela. Recomendo!


EU NÃO DEVO NADA!

Fico assustada quando me pego pensando que eu "deveria" ter dito isso ou aquilo, feito de forma diferente, mudado isso, pensado melhor, deveria, deveria, deveria...

Quanto mais eu penso nisto, chego na mais simples conclusão: EU NÃO DEVO NADA!

Afinal, vim para esta existência para ficar devendo alguma coisa a mim mesma? Vou mesmo ser minha própria agiota? Encurralar-me na pa
rede, exigindo-me ações que na época eu não tinha condições psicológicas para tal? EU ME RECUSO A ISSO.

Sempre penso que se não fiz algo que "poderia" ter me levado a uma história diferente é porque na época eu não tinha condições de perceber isso, porque se eu tivesse, teria agido, afinal, eu ia querer meu próprio mal de forma consciente? Claro que não!

Eliminar o "deveria" de nossas vidas pode ser imensamente libertador. Eu não fico deprimida, chorando o "leite derramado", não fico me acusando por algo que na época eu não tinha capacidade de enxergar e consigo VIVER O HOJE.

Não trata-se de negar o que você pode melhorar. Estou falando aqui que, aceitar quem você é (ou está) e o seu passado, é o primeiro passo para mudar aquelas coisas que HOJE você não está satisfeito.

Minha frase favorita quando começo a me cobrar e me paralisar por não ter feito algo que "deveria": "EU FIZ O QUE EU PODERIA FAZER NAQUELA ÉPOCA, POIS EU ACREDITAVA QUE AQUILO ERA O MELHOR PARA MIM". Não vou ficar batendo na Lory que eu fui, é uma covardia e não me adianta de nada.

Para mim uma postura que leva a mudanças é olhar para o passado sem culpa, aprender o que eu tiver de aprender e seguir em frente. Esta atitude é que pode me levar a transformar aquilo que me desagrada.