sexta-feira, 27 de abril de 2012

O QUE DEVEMOS FAZER PARA QUE A VIDA E AS PESSOAS NOS TRATEM MELHOR?

A resposta dada pelo autor Luiz Gasparetto em seu livro "A vida lhe trata como você se trata" da Editora Vida & Conciência é a consideração positiva. Quando nós nos consideramos positivamente nós levamos em consideração o que sentimos e queremos. Assumimos a responsabilidade pelo o que somos e sentimos, procurando fazer o que nos faz felizes. Aceitamos nossos limites, tendências e gostos.

Se nos consideramos de forma positiva, as pessoas começarão a nos tratar com respeito e distinção.

O único impedimento para você se revalorizar e parar de se obrigar é a maldita vaidade!

Vaidade é o querer parecer ser. Dar mais importância ao que você parece para os outros do que para o que sente.

Você é vaidoso? É difícil ser honesto com a gente, mas a verdade é que sempre temos uma dose de vaidade. Toda vez que não nos sentimos à vontade é porque estamos querendo parecer ser o que não estamos sendo. Timidez, constrangimento, ansiedade, nervosismo, medo de errar, vergonha de que vejam seus defeitos ou suas coisas íntimas, que equivale a dizer que você não se assume como é, que se rejeita e se despreza como forma de se defender contra as críticas dos outros e que não confia em si, ou não é da sua própria confiança.

Damos mais importância aos outros do que a nós. E a vida nos coloca no fim da fila. Damos o poder aos outros e ficamos à mercê dos outros. Se eu considero a sua aprovação mais importante que a minha, então eu estou lhe dando mais importância do que a mim, ou seja, eu estou lhe dando o poder de me aprovar ou de me desaprovar e fico com medo de não lhe agradar. Passo a vida tentando lhe agradar e não faço o que eu quero.

Você se inferioriza ou está sendo inferiorizado? Seu parceiro(a) perdeu o interesse em você? Passaram-te para trás no serviço? Rebaixaram-te ou te rejeitaram? Não dão bola para o que você diz?

Desculpe-me, mas você merece!

Seja honesto e veja como você se trata! Com que direito pode exigir dos outros um tratamento que você não se dá?

Normalmente achamos que estamos nos dando importância tentando parecer importante para os outros, fazendo "panca". Você faz "panca" de bonzinho, simpático, fortão, respeitoso, educado, etc. Porém, eu lhe pergunto: você faz isso para agradar os outros ou porque realmente é de coração? Você é ou não mais importante que os outros para você?

Quem quer ser sempre o certinho será indiscutivelmente infeliz! Para ser feliz é necessário uma campanha contra a sua vaidade e assuma-se como é, aceitando-se incondicionalmente.

Só quando nos amamos de verdade é que temos condições de amar os outros e sermos amados por eles.

Temos que nos dar uma atenção nutritiva, ou seja, aquela que nos encoraja a enfrentar os obstáculos da vida. Ela nos faz ver que somos criaturas cheias de potenciais, necessitando de nossa atenção e empenho para podermos nos desenvolver.

Lembre-se que isto serve também para as pessoas que amamos. Não devemos achar que ninguém é digno de pena. Se pensarmos que alguém é coitadinho é porque achamos essa pessoa incapaz e impotente, é negar o seu potencial de crescimento.

Quando nós nos colocamos na posição de coitadinhos, nos sentimos impotentes. Então, vem a depressão, a ansiedade, a baixa autoestima. O pobre de mim é a maneira mais fácil de nos arruinarmos, minando nossas forças e nos colocando para baixo, o que a vida logo responde nos rebaixando também.

Quando nos vemos como coitados, como aqueles que tem que ganhar o pão de cada dia num mudo de pessoas competitivas ou como reféns da vontade dos outros, é fácil ficar triste, desanimado com a vida. Temos de lutar contra a hipnose do “coitadinho de mim”. Você não é um miserável, apenas não se deu a chance de ser o que verdadeiramente é.

Comece a desenvolver a compaixão. Ela percebe as fraquezas, mas jamais condena a si mesmo, nem aos outros. Veja a si mesmo e os outros como capazes, pois todos fazem o melhor que sabem fazer, de acordo com o seu grau de evolução.

Quando seu coração fica apertado, angustiado, é porque você está dando força para maus pensamentos ou está fazendo algo que não está de acordo com o que você realmente quer. Comece a prestar mais atenção ao que você sente. Se você sente aquele bem estar no peito é porque está no caminho correto e deve continuar, independente do que as pessoas digam ou sua mente traiçoeira e exigente lhe fala. Respeite o seu sentir, conecte-se com ele e siga sem medo. Você não irá se arrepender!

Um comentário:

  1. O Luiz Gasparetto é ótimo, vi uma porrada de aúdios dele - Vencendo a Timidez -Auto-estima entre outros! Putz e ainda fico pagando uma de coitadinho, ninguém me ama e não tenho namorada e isso e aquilo... Rs! Daí ele chega e fala, bem feito você mereceu, e aí a gente vê que a gente não se deu o respeito e esperou que o outro fizesse uma coisa, que cabia a nós primeiramente! Vi esse livro dele a venda na rodoviária do RJ, talvez devesse ter comprado!

    ResponderExcluir