domingo, 30 de outubro de 2011

Tudo o que me acontece é o melhor possível que pode me acontecer!

Livro Zen e a Arte da Felicidade - Chris Prentiss- Editora Nova Era

O título desta postagem é uma frase muito ressaltada no livro "Zen e a Arte da Felicidade" de Chris Prentiss.
 Profundo conhecer do I ching, este autor aborda de forma clara alguns dos principais ensinamentos deste livro milenar chinês.

O que o autor quer dizer quando afirma que devemos olhar para as coisas que nos acontece acreditando que TUDO (até mesmo os eventos desagradáveis) deve ser encarado como o melhor possível que poderia nos acontecer?

Os eventos não são bons nem maus por si só, somos nós que os interpretamos deste ou daquele jeito. Até mesmo a morte (tão temida por nós ocidentais) pode ser vista sobre outra perspectiva se assim desejarmos. Seguindo este raciocínio o autor coloca que se pensarmos que tudo que nos acontece se mostrará benéfico, conseguimos paz de espírito.

Concordo com o autor, apesar de saber que como não estamos acostumados a ver o mundo desta forma, pode ser difícil seguir esta filosofia. Porém, acredito que, se ao menos tentarmos pensar deste modo, mesmo que não consigamos sempre, temos o poder de mudar nossos sentimentos ruins e até mesmo comportamentos que poderiam nos prejudicar. Vou dar um exemplo:

Imagine que você perdeu o emprego. Se a sua postura for pensar que este evento foi uma coisa terrível que lhe aconteceu, muito provavelmente você ficará triste (ou com raiva) e terá pensamentos que não lhe ajudarão a arrumar outro emprego. Um dos principais é acreditar (mesmo que subconscientemente) que será muito difícil arrumar outro. Bom, acreditando nisto, você pode até se esforçar, mandar currículos, etc, porém, você já se sente um fracassado e quem é que vai querer contratar uma pessoa que acredita que é um fracasso ou que tem crenças semelhantes? Também pode acontecer de você se boicotar e não ter a motivação necessária para buscar um novo emprego.

Pensando que a perda do emprego foi o melhor que poderia lhe ocorrer, você começa a acreditar que este evento não é algo ruim, muito pelo contrário, é uma oportunidade de crescimento. Você terá oportunidade de aprender que você não pode controlar a vida, que as coisas acontecem no momento que tem de acontecer, terá de lidar com sua ansiedade e com o fato de que talvez a perda do emprego ocorreu justamente para você poder repensar sua carreira, ou então conquistar um cargo ainda melhor, que lhe trará maior satisfação.

O autor do livro recomenda que comecemos a praticar esta nova maneira de pensar com coisas que não são tão impactantes, para que possamos ir gradativamente nos acostumando com esta filosofia. Afinal, pensar que a morte de um ente querido foi benéfico é algo muito difícil de ser feito. (apesar de que através do luto temos a oportunidade de aprendermos muitas coisas, principalmente como devemos valorizar as pessoas que estão ao nosso lado). Entretanto, eu acredito que, com a maioria das coisas que nos acontece é sim possível aplicar esta nova forma de ver o mundo. E então? Vamos tentar? Será que você não pode mudar a sua postura frente a algo que lhe aconteceu e você rotulou como ruim?

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Steve Jobs e seu discurso motivador

Não sei realmente quem foi Steve Jobs, pois apenas aqueles que conviveram com ele poderiam nos dizer. Porém, independente disto, uma coisa é certa. Neste discurso que depois de sua morte fora veiculado nos canais de comunicação, principalmente a internet, ele fora brilhante no que disse e se escutarmos com atenção, se trata de um discuso muito bonito e motivador. Vale a pena vê-lo na íntegra para quem não assistiu e aí está:

Um grande abraço e até!

sábado, 8 de outubro de 2011

Saberei viver

Quando encontrar o meu lugar no mundo. Quando integrar os meus sentimentos a todas as outras coisas. Quando não for tão instável. Quando conseguir controlar o meu estado de espírito. Quando não depender tanto da expectativa dos outros. Quando os meus olhos estiverem concentrados em mim. Quando não me desesperar mais por causa do que ainda não tenho. Quando puder me sentir inteiro mesmo nos dias cinzentos e chuvosos. Quando não quiser mais morrer sempre que tiver de resolver uma situação difícil. Quando não ficar paralisado por tédio, impotência, insegurança e medo. Quando puder fazer uma boa separação entre mim e os outros. Quando perder o medo de ter medo e tiver a paciência de me submeter ao tempo. Quando não houver pressa de alcançar o futuro e eu puder viver mais tranquilo e menos tenso. Quando eu falhar sem ter sensação de fracasso. Quando não ficar tão iludido a ponto de sofrer uma desilusão. Quando não me enraivecer com tanta frequência e puder tolerar melhor as coisas que não dão certo. Quando ficar «muito rico» não seja mais uma necessidade imperiosa para viver. Quando puder me olhar no espelho e ser mais condescendente quando não me achar tão belo.
Então... por certo ficarei em paz. Deixarei de me julgar com tanto rigor. Terei crescido. Serei dono de mim e das minhas coisas.
Saberei viver... MAIS FELIZ!
(Autor desconhecido)