segunda-feira, 18 de julho de 2011

O divórcio e suas consequências para as crianças/ adolescentes

De acordo com Hyun Sik Kim que desenvolveu uma pesquisa sobre o tema na Universidade de Wisconsin- Madison, crianças com pais divorciados apresentam queda no rendimento em provas de matemática, mostram problemas com habilidades interpessoais e introspecção durante o período de divórcio. Já os jovens ficam mais propensos a sentimentos de ansiedade, solidão e principalmente baixa autoestima, diz estudo. (fonte: Revista Psique - Ano VI n° 67)

Como aponta esta pesquisa, concordo que realmente é necessário que os pais observem melhor o comportamento de seus filhos no momento do divórcio. Este é sim considerado um momento de crise familiar e mesmo que a opção pelo divórcio seja a melhor  (não apenas para os pais como para os filhos) é importante não esquecer que a relação marido e mulher pode ter acabado, mas a função materna e paterna não.

Mesmo que seu filho não apresente queda no rendimento escolar, com certeza alguma mudança comportamental poderá ser observada, afinal, a estrutura familiar se rompeu e todos devem se adequar ao novo arranjo familiar. Um dos problemas que percebo no consultório é como os pais às vezes "mascaram" ou preferem fingir que nada mudou para seus filhos, só porque nenhuma mudança brusca em seu comportamento ocorreu.

As crianças podem não demonstrar abertamente seus sentimentos e justamente por isso é tão importante o diálogo neste momento. Incentivar a criança / adolescente a falar sobre os seus sentimentos e ser franco com relação ao futuro da família é essencial. Demonstrar não apenas através de palavras, como também através de atos que, sim, o amor entre o casal pode ter acabado, mas não o amor pelo filho.

Não podemos esquecer também do cuidado ao falar do marido ou esposa que saiu de casa, pois uma das piores coisas que podemos fazer ao nosso filho é criar para ele uma imagem ruim de seus pais. Então, mesmo que existam mágoas, lembrem-se que seu filho nada tem a ver com as mesmas e que a alienação parental prejudica o bem estar psicológico do mesmo, além de quem o comete pode vir a ser punido legalmente (a lei prevê medidas que vão desde o acompanhamento psicológico, aplicação de multa ou até mesmo a perda da guarda da criança). Para saber mais sobre alienação parental acesse: http://www.alienacaoparental.com.br/lei-sap

Se você está em processo de divórcio e perceber que seu filho vem apresentando mudança comportamental significativa e se recusa a falar sobre o assunto, você pode pedir auxílio a um profissional (psicólogo) para que o mesmo lhe oriente e trabalhe estas questões com a criança / adolescente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário